Olá, entre em contato com a redação do blog através do e-mail: humbertoruy@gmail.com

Deputado propõe CPI para investigar desvios de recursos da saúde no Maranhão



O deputado estadual Wellington do Curso (PP) apresentou nesta segunda-feira (12), durante sessão da Assembleia Legislativa, proposta solicitando a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar desvios de recursos públicos do setor da saúde.

O pedido do parlamentar objetiva investigar contratos feitos pelo governo do estado com entidades privadas que administraram, até bem pouco tempo, unidades públicas de saúde.

Reportagem do Fantástico, exibida ontem, mostrou que no Maranhão o Instituto de Desenvolvimento e Apoio à Cidadania (IDAC) firmou contratos com a administração estadual nos governos Jackson Lago (PDT), Roseana Sarney (PMDB) e Flávio Dino (PC do B).

Segundo a Polícia Federal, que investiga o caso por meio da Operação Rêmora, cerca de R$ 1 bilhão em recursos federais foram desviados pelo IDAC nos últimos anos.

Recursos, estes, que deveriam ter sido empregados na melhoria da saúde pública oferecida ao cidadão maranhense.

“Nós ouvimos a população do Maranhão e, por onde passamos, há reclamações quanto aos hospitais públicos, quanto à precariedade nos serviços públicos de saúde. Fica o questionamento? Onde o recurso é aplicado? Quanto ao recente caso do IDAC, o Governo informou que iria investigar a prestação de contas. Ora, a Polícia Federal afirmou que o IDAC apresentava nota fiscal de empresas de fachada na prestação de contas. Por que só o IDAC? E as outras Oscips e Os? Elas também precisam ter suas contas investigadas. O mínimo que essa Assembleia Legislativa pode fazer é auxiliar nessa investigação. Esse é o nosso papel e é isso que justifica a instauração de uma CPI. Caso contrário, estaremos sendo partícipes de todos os casos em que pacientes morrem em hospitais por falta de atendimento”, pontuou Wellington

Para ser instalada, a CPI proposta por Wellington do Curso necessita das assinaturas de pelo menos 14 deputados.

Fonte: Glaucio Ericeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário