Olá, entre em contato com a redação do blog através do e-mail: humbertoruy@gmail.com

Asteroide passou "raspando" próximo da Terra

Esse passou perto!  Um asteroide detectado há poucos dias passou metade da distância entre a Terra e a Lua.  O pior é que quase nem o vimos vindo.  De acordo com o Programa de Objetos Próximos da Terra, da NASA, por volta de 38 ou mais “visitas próximas” de asteroides de tamanho similar ao 2017 AG3 são esperados em janeiro.

O asteroide, com entre 11 e 34 metros em diâmetro, fez uma visita próxima à Terra, passando na metade da distância entre o nosso planeta e a Lua.

De acordo com um artigo publicado no Space.com, o asteroide, chamado de 2017 AG3, foi descoberto em 7 de janeiro pelo Catalina Sky Survey, da Universidade do Arizona.

Estima-se que o 2017 AG3 tinha entre 11 e 34 metros em diâmetro e viajava à uma velocidade de 57.600 km/h.  Ele chegou a 200.000 quilômetros da Terra, ou somente metade da distância da Lua.


Eric Feldman, astrônomo do site Slooh, falou durante uma transmissão ao vivo da passagem do asteroide no dia 9 de janeiro, às 7h47, horário da costa leste dos EUA: "Este está se movendo muito rapidamente, muito próximo de nós. Na verdade ele cruza a órbita de dois planetas, Vênus e Terra."

O que teria ocorrido se esta rocha espacial tivesse impactado a Terra?

Pesquisadores da Unversidade de Purdue criaram um simulador chamado “Impact Earth!” e estudaram esta possibilidade, concluindo que seus resultados não seriam tão catastróficos quanto alguns acreditam.

Se o 2017 AG13 – ou outro asteroide similar em tamanho – impactasse a Terra a um ângulo de 45 graus, o simulador da Universidade Purdue descobriu que teria explodido no ar.

Além disso, a explosão liberaria por volta de 700 quilotons de energia, que é dezenas de vezes mais poderosa do que a da bomba detonada sobre Hiroshima.

Na verdade, de acordo com a Purdue, tais impactos ocorrem a cada 150 anos, aproximadamente.

De acordo com o Slooh – um serviço de telescópio robótico que pode ser visualizado ao vivo através de um navegador web com um plug-in Flash – o 2017 AG3 tinha “aproximadamente o mesmo tamanho do asteroide que atingiu Chelyabinsk, Rússia, em 2014”, o qual teria os mesmos efeitos no solo – quebrando janelas e fazendo alguns danos em prédios.

Curiosamente, de acordo com o Programa de Objetos Próximos da Terra, da NASA, por volta de 38 ou mais aproximações de asteroides similares em tamanho ao 2017 AG3 são esperadas para janeiro de 2017.

O Congresso dos EUA deu à NASA a tarefa de descobrir por volta de 90 por cento dos Objetos Próximos à Terra que são potencialmente perigosos, com um diâmetro de mais de 140 metros, até 2020. Porém a agência não está nem perto de atingir sua meta.

Fonte: Site Ovini Hoje